builderall

Vero, frias e convivncia intensa em famlia. poca em que os pais precisam treinar a sua firmeza na questo do limite e do uso do no em suas crias: picol antes do almoo, no quero ir embora da praia, no quero dormir no horrio de sempre, pra que banho se eu j tomei banho de piscina e por a vai ?.


Todos sabemos que pode parecer mais fcil, ento, ceder. Ceder porque, enfim, frias, porque passamos pouco tempo com eles no queremos briga. Mas, s parece. A mdio e longo prazo o resultado muito danoso. Especialmente porque as mensagens dadas pelo ambiente devem ser estveis, ou seja, mais ou menos sempre as mesmas. A oscilao das mensagens gera confuso e instabilidade na criana (o que muitas vezes depois resulta no comportamento de irritao e birra que no sabemos de onde saiu; saiu da confuso dentro do mundinho interno da criana, causada pelas mensagens ambivalentes dos adultos). Obviamente eu sei que isso no ocorre por mal! Alis, quero muito tirar essa ideia erradssima de que os psiclogos (pelo menos aqueles bem formados) culpam os pais. No se trata de culpa, mas de responsabilidade sobre o desenvolvimento daquele ser humaninho ?.



E, para quem costuma ter a mensagem de permissividade, fica a dica de tentar mudar um pouquinho a postura... para o bem deles, e para o bem a sociedade em que eles vo fazer parte (e construir) um dia. O no organizador da personalidade, integra os impulsos da criana que so, at uma certa idade, isentos de racionalidade. Os adultos precisam, at certo tempo, ajudar a criana a aprender a pensar e medir consequncias. Para quem tem a mensagem do rigor excessivo, a dica de equilbrio a mesma. A rigorosidade em excesso gera afastamento da criana, empobrecimento das relaes de confiana nela mesma e nos seus cuidadores.


Abaixo eu vou colocar algumas das dicas que eu enviei pra coluna da @realcris.silva l por novembro do ano passado. So dicas bem baseadas nas teorias psicolgicas clssicas, numa tentativa de ajudar um pouco os adultos que esto passando por isso.


Seguem ?
















O que pode ser negocivel e o que de fato uma negociao autntica:


  1. o escolher entre duas ou trs peas de roupas, sapatos, no entre todo o guarda- roupas;
  2. o escolher qual alimento saudvel vai ser consumido, e no se vai ou no ser consumido;
  3. o escolher se fica brincando at a hora do banho ou se prefere ver tv at a hora do banho, por exemplo - e cumprir isto;
  4. a negociao dentro de limites pr-estabelecidos pelo adulto, jamais com todas as possibilidades na mesa.


Os cuidadores precisam observar a diferena entre uma negociao autntica e uma chantagem, que altamente prejudicial para a sade mental mas que ocorre muito mais do que desejaramos. O que seria uma chantagem:


  1. se tu no tomares banho a mame vai chorar;
  2. se tu continuares chorando vou te deixar aqui;
  3. se fizeres ou deixares de fazer tal coisa a mame no vai mais gostar de ti.


Mentiras tambm no so nada positivas, mas s vezes so as armas que os adultos, sem muita ideia do seu dano, encontram:


????

Esses exemplos mostram as dificuldades dos pais/ambiente e mesmo o seu temor de dizer um no e arcar com o que vir: o choro, a teimosia, o ?eu te odeio?, ?tu a pior me do mundo?. A falta do no muitas est mais ligada a incapacidade dos pais de lidarem com essa avalanche de sentimentos da criana do que a outras coisas. importante pensar nisso, sem preconceito.


Toda essa questo, como a maioria das questes da infncia, relacional, de pelo menos duas partes, adulto/ambiente e criana. Esperamos que as crianas possam ser crianas (com limites para serem adultos melhores) e que os adultos possam ser adultos e desempenhar seu papel de formadores de novas pessoas!


isso pessoal! Podemos conversar sobre isso!

At!